quinta-feira, 28 de março de 2013

Alterações Cadavéricas


DECOMPOSIÇÃO CADAVÉRICA

ocorre quando o tecido morto é invadido por microorganismos anaeróbicos saprofíticos que digerem as preteínas, induzem alterações químicas e formam gases. Finalmente ocorre a putrefação do organismo morto, que é o fenômeno ligado à autodigestão de tecidos e órgãos por enzimas próprias (autólise) ligadas à invasão e multiplicação bacteriana principalmente as que vivem saprofiticamente no trato digestivo, incluíndo aquelas produtoras de gás. Os processos químicos da putrefação são muito complexos e variáveis no seu aparecimento e sua evolução.
Além disso enzimas bacterianas intervem, especialmente o Clostridium welchii e o Vibrião séptico. O suco gástrico continua atuando algum tempo depois da morte, o qual pode causar perfurações no 
estômago, esôfago e diafragma com presença de conteudo gástrico no mediastino e nas cavidades pleurais. Estes achados são importantes para a realização de um diagnóstico diferencial e determinação da causa morte ( alterações como : hemorragias e ulcerações na parede dos órgão devem ser observadas). Alguns aspectos caracterizam a fase da putrefativa, que são: 


  • desaparecimento da rigidez cadavérica.
  • embebição sangüínea é o aparecimento da embebição pelos produtos da hemólise. Corresponde ao aparecimento de manchas aver
  • apareccimento da embebição biliar em tecidos próximos à  vesícula.
  • aparecimento da embebição negra ou pseudomelanose ocorre devido a embebição pelo sulfeto de ferro ( o ferro é liberado pela catabolização da hemoglobina)
  • presença de manchas azuladas ou esverdeadas na serosa intestinal, porção inferior do fígado e outros órgão , devido produtos de sulfameta-hemoglobina derivada do gás sulfídrico (anidrido sulfuroso) com a hemoglobina.
  • eliminação de sangue pelas vias naturais (hemólise).
  • despregamento da mucosa gástrica (maceração ou gastromalácia), durante a vida, a mucosa gástrica não é agredida pelo suco gástrico; todavia, quando o animal morre e ainda tem uma temperatura corpórea que permita a ação de enzimas, estas continuam atuando por algum tempo. Assim, a mucosa sofre autodigestão pela Pepsina e Ácido clorídrico. Tal processo é acentuado nos animais de suco gástrico fortemente ácido(cão) ou nos lactentes( pela formação de ác. láctico na cavidade gástrica). Ocorre a princípio uma tumefação das pregas mucosas, que depois sofrem um processo de amolecimento. A mucosa torna-se edematosa, vítrea e, apenas tocada com a faca, desprende-se com grande facilidade.
  • distenção devida a fermentação com produção de gás no trato digestivo (meteorismo cadavérico). A distensão do abdomem e dos intestinos também causa efeitos de pressão em outras vísceras. Grandes áreas no fígado podem mostrar-se pálidas porque o sangue foi empurrado dali pela pressão de outros órgãos.
  •  aparecimento de bolhas gasosas(H2S)crepitantes em órgãos capsulados, como o fígado, baço e rim , decorrente da proliferação de microrganismos produtores de gás (enfizeme cadavérico).
  • ocorre relaxamento dos esfíncteres (pseudoprolapso retal) com exteriorização da ampola retal, devido o aumento da pressão intra-abdominal e intra-pélvica causada pelo meteorismo cadavérico.
  • deslocamentos podem ocorrer na forma de torções intestinais, invaginações ou hérnias. Se uma laceração ou ruptura ocorre antes da morte, haverá hemorragia nos bordos da lesão, ao passo que não haverá hemorragia numa ruptura pós-mortem.
  • liquefação parenquimatosa é a perda progressiva do aspecto e 
    estrutura das vísceras.
  • odor cadavérico decorrente da formação de substâncias 
    voláteis por ação de bactérias. Entre as substâncias mal 
    cheirosas formadas durante a putrefação se incluem a amônia, o 
    sulfeto de hidrogênio, o indol escatol, a putrescina e a 
    cadaverina. 

Embora não exista regra geral que possa ser adotada para a 
exatidão temporal de todos os fenômenos da putrefação, eles passam 
pelas seguintes fases:

  • período da coloração - este é o período que se caracteriza 
    pelo aparecimento de coloração: 
    esverdeada ou azulada (sulfameta-hemoglobina) 
    amarelo-esverdeado (bile) 
    avermelhada (hemoglobina) 
    negra (sulfeto de ferro)
  • período gasoso - os gases originados da putrefação surgem no 
    interior das vísceras. 
  • período liquefativo ( ou coliquativo) - é caracterizado pela 
    dissolução pútrida do cadáver. As partes moles vão diminuíndo 
    progressivamente de volume com a desintegração progressiva 
    enzimática autolítica e a proliferação de fungos e bactérias, com 
    conseqüente fermentações dos hidratos de carbono e rancificação 
    das gorduras.
  • período de esqueletização - nesta fase a desintegração das 
    partes moles restringe o corpo ao esqueleto e ligamentos 
    articulares. Com o tempo os ossos tornam-se frágeis e leves. 
fonte: http://www.famev.ufu.br/medicinaveterinaria/estrutura/disciplinas/documentos/alteracoescadavericas.pdf