sábado, 23 de novembro de 2013

O Tanatopraxista

O Tanatopraxista


Prof. Dr. Oisenyl J. Tâmega
e Prof. Dr. Progresso J. Garcia

O firme propósito de uma empresa funerária em busca do melhor atendimento, com aumento de confiabilidade e rentabilidade, necessita de um quadro dedicado e competente de funcionários. A formação de tanatopraxista está diretamente ligada a existência de alguém na empresa que tenha uma série de qualidades para que o sucesso da implantação desse serviço se concretize o mais rápido possível.
Várias dúvidas surgem quanto ao tanatopraxista:
1-     Quais devem ser suas qualidades?
2-     Quais suas reais funções?
3-     Quais seus cuidados com a contaminação própria e ambiental?
4-     Quantos são necessários para uma empresa?
5-     O que é preciso para aprender essa técnica? E muitas outras...

Na verdade surge, para o diretor funerário, uma outra dúvida ainda maior e que antecede a todas as citadas anteriormente. O que deve ser feito primeiro? Construir e equipar o tanatório ou aprender a tanatopraxia?

O ideal é, primeiramente construir um tanatório com orientação profissional e, durante o aprendizado no Curso Teórico-prático de Tanatopraxia, oferecido pelo CTAF, se inteirar da necessidade e utilidade de cada equipamento para sua efetiva compra imediata. Dessa forma não ocorrerá perda no investimento estrutural e cultural, além de agilizar o retorno financeiro. Pode-se perceber que na verdade as necessidades estão correlacionadas e suas providências devem ser tomadas quase que ao mesmo tempo.

A seleção da pessoa destinada a se tornar um tanatopraxista é fundamental. A pessoa escolhida deve, preferencialmente, ter conhecimento e habilidade em lidar com a preparação de cadáveres, ter interesse em aprender essa nova e revolucionária técnica, estar motivado para após o aprendizado desenvolver sua nova função, ser organizado, cuidadoso e sentir orgulha da profissão que exerce.

Como também ocorre em outras profissões e em muitas atribuições no próprio setor funerário, o conhecimento pleno do serviço por parte do diretor funerário é importante não só para poder direcionar o exercício da tanatopraxia, como também para dar suporte necessário a execução segura e correta dessa tarefa.

Nem sempre um grau de instrução elevado o mais tempo de serviço servem como bens critérios para a indicação de alguém para ser tanatopraxista. A confiança da diretoria da empresa no seu funcionário juntamente com o conhecimento de sua responsabilidade e vontade em se instruir para poder apresentar bons resultados, são pontos importantes para o sucesso nesse empreendimento.

Essa indicação é o primeiro passo. Entretanto, por menor que seja a empresa ou a cidade onde está estabelecida, apenas um tanatopraxista não será suficiente, pois trata-se de uma função que necessita ao mesmo tempo lidar com o corpo e com produtos adequados a serem adicionados corretamente em equipamentos de precisão. Outro fator surge pouco tempo após a implantação desta técnica, quando o bom serviço feito começa a apresentar resultados e passa praticamente a ser uma rotina na empresa, pois a população acompanhando essa evolução, adere rapidamente. Fiquem, portanto, prevenidos para a feliz e compensadora necessidade de indicar mais alguém que também irá desempenhar essa função.

O tanatopraxista será o técnico responsável pela tanatopraxia feita em um cadáver e isto implica em muita responsabilidade, conhecimento e vários critérios a serem adotados. Um cuidado inicial importante para se propor a fazer esse serviço é, antes de mais nada, saber a causa mortis e fazer pessoalmente a avaliação das condições do corpo para se ter uma estimativa do tempo de execução do serviço e da qualidade do resultado final.

Por outro lado, a tanatopraxia só poderá entrar em andamento se a família já estiver de posse do atestado de óbito e, após conhecimento, assinar documento autorizando esse serviço que nada mais é do que a higienização e preparação do corpo em melhores condições para velório. Essa tarefa de avaliação é, talvez, a mais árdua pois a partir dessa verificação será determinado o procedimento a ser tomado e, se efetuado corretamente, surtirá um bom resultado.