domingo, 24 de novembro de 2013

Putrefação Cadavérica

Durante a putrefação do cadáver, alguns fenômenos ocorrem e, didaticamente denominam-se:

Fenômenos abióticos imediatos
  • Perda da consciência
  • Insensibilidade geral e dos sentidos
  • Imobilidade e abolição total do tônus muscular
    • máscara da morte (fácies hipocrática = moribundo)
    • inércia
    • relaxamento esfinctérico
    • midríase (dilatação pupilar)
  • Cessação da respiração
  • Cessação da circulação
    • ausculta cardíaca – Prova de Bouchut
    • radioscopia do coração - Sinal de Piga
    • eletrocardiografia com ou sem ativação adrenalínica - Prova de Guérin e Frache
    • globo ocular
    • esvaziamento da artéria central da retina
    • interrupção da coluna sangüínea das veias retinianas
    • descoramento da coróide
    • parada completa da rede superficial da retina

Fenômenos abióticos consecutivos

ver catálogo
 Opacificação da córnea. 

  • Instalam-se a partir da morte
  • Indicam a realidade da morte


  • Desidratação cadavérica
    • perda de peso
      • fetos e recém-nascidos - até 8g/Kg/dia - nas primeiras horas até 18 g/Kg/dia
    • pergaminhamento da pele
      • dessecação cutânea
      • endurecimento cutâneo
      • tonalidade pardacenta ou parda-avermelhada
      • estrias decorrentes de arborizações vasculares
    • dessecamento labial e mucoso
      • mais intenso em recém-nascidos e crianças
      • lábios se tornam duros e pardacentos
      • pode simular ações traumáticas ou cáusticas
    • modificação dos globos oculares
      • tela viscosa - sinal de Stenon-Louis
      • diminuição ou perda da tensão do globo ocular - Sinal de Louis
      • turvação da córnea transparente
      • mancha negra da esclerótica - livor sclerotinae nigricencens - Sinal de Sommer e Larcher
      • mancha de cor enegrecida devido à transparência do pigmento coroidiano
        circular ou oval, raramente triangular. no quadrante externo do olho
      • após 8 horas da morte, deformação da íris e pupila à pressão digital - Sinal de Ripault
    Algor Mortis - Resfriamento corporal
    • tendência ao equilíbrio com o meio ambiente, progressivo e não uniforme
    • esfriamento médio de 1,5º/h
    • alterações na velocidade do resfriamento
      • mais lento
        • obesos
        • envoltos em roupas ou cobertores
        • ambientes fechados ou sem circulação de ar
        • vítimas de insolacão, intermação, envenenamento e doenças infecciosas agudas
      • mais rápido
        • crianças e velhos
        • doenças crônicas e grandes hemorragias
    • termômetro retal
      • Necrômetro de Bouchut
      • Tanatômetro de Nasse
      • introduzido 10cm


    Livor Mortis

    ver catálogo
     Livores de hipostase em dorso.
Óbito por estrangulamento.  Livor de hipostase em cadáver que permaneceu em decúbito ventral.  Livor de hipostase em cadáver que permaneceu em decúbito ventral.  Livores de hipostase no dorso.  Livores de hipostase em enforcado.  Livores de hipostase em disparo encostado.
    • Modalidades
      • Manchas de hipóstase cutâneas
      • Livores viscerais
        • pulmões
        • fígado   
        • rins
        • baço
        • intestinos
        • encéfalo
    • fenômenos constantes - exceção em grandes hemorragias
    • regiões inferiores do cadáver exceto regiões de pressão - exceção: livores paradoxos
    • forma de placas - exceção: púrpuras hipostáticas
    • mecanismo
      • parada da circulação
      • ação da gravidade
      • acúmulo sanguíneo intravascular nas partes mais baixas do corpo - exceção: regiões de pressão
      • início em algumas regiões que se coalecem
    • coloração
      • regra: violácea
      • exceções
        • asfixia por monóxido de carbono - vermelho, róseas ou carminadas
        • envenenamento metahemoglobinizantes - marrom-escuro
    • cronologia
      • aparecimento: 2 a 3 horas após a morte
      • fixação 8 a 12 horas
        • permanece na mesma posição caso se vire o cadáver
        • permite diagnóstico de alteração da cena do crime
    • pessoas de cor negra os livores podem não ser evidenciados
      •  colorímetro de Nutting - espectroscópio de colimador espectral e de luneta ocular
    • diagnóstico diferencial com equimose
      • incisar e perceber que o livor flui


    Rigor Mortis
    • Mecanismo
      • após a morte: um relaxamento muscular generalizado
      • hipóxia celular
      • não formação de ATP
      • alteração da permeabilidade das membranas celulares
      • formação de actomiosina
      • ação da glicólise anaeróbica
      • acúmulo de ácido láctico
    • Ordem de aparecimento - Lei de Nysten – Sommer
      • face, mandíbula e pescoço
      • membros superiores e tronco
      • membros inferiores
      • desaparecimento na mesma ordem
    • Cronologia
      • aparecimento - 1 a 2 horas após a morte
      • grau máximo - 8 horas
      • desfazimento - 24 h
        • início da putrefação
          • coagulação das albuminas
          • acidificação
          • quebra do sistema coloidal


    Espasmo cadavérico
    • fenômeno controverso e raro
    • manutenção da última posição da vítima antes de morrer
    • se mantém até a instalação da rigidez muscular

    Fenômenos abióticos transformativos

    Destrutivos

    Conservadores



    Fenômenos abióticos transformativos destrutivos
    • destrutivos
      • autólise
      • putrefação
      • maceração
    • conservadores
      • mumificação
      • saponificação
      • calcificação
      • corificação


    Autólise
    • Fenômenos putrefativos anaeróbicos intracelulares
    • Mecanismo
      • Diminuição da oxigenação e nutrição celular
      • Metabolismo anaeróbico
      • Acúmulo de ácido lático - Acidificação - diminuição do Ph
      • Rompimento de organelas citoplasmáticas - lisossomos
      • Liberação de enzimas proteolíticas
      • Processo sem participação bacteriana
    • Células mais afetadas - as que possuem mais enzimas
      • mucosa gástrica
      • mucosa intestinal
      • pâncreas
    • Fases
      • Latente - alterações citoplasmáticas
      • Necrose - alterações nucleares


    Putrefação
    • Mancha verde abdominal
      • Primeiro local da fase de coloração
      • Fossa ilíaca direita
        • o ceco é a parte mais dilatada e livre
        • maior acúmulo de gases
        • proximidade com a parede abdominal
        • concentração de bactérias
      • Cronologia do aparecimento
        • verão - 18 a 24hs
        • inverno -  36 a 48
      • Mecanismo e evolução
        • atividade bacteriana - Clostrídium welchii
        • formação de metano, gás carbônico, amônia e mercaptanos, gás sulfídrico
        • gás sulfídrico + hemoglobina = sulfohemoglobina ou sulfometahemoglobina = verde
        • progressão por todo o corpo
        • escurecimento progressivo - verde enegrecido a negro
    • A cabeça fica muito negra
    • Pigmentação intra-abdominal por pigmento biliar
    • Enegrecimento de parte das vísceras maciças em contato com o intestino grosso
    • Nos fetos
      • início pela parte superior do tórax, face e pescoço
        • conteúdo intestinal estéril
        • bactérias nas vias aéreas
    • Nos afogados
      • cabeça e parte superior do tórax
        • posição do cadáver com a cabeça para baixo


    Fase gasosa

    ver catálogo
      Circulação póstuma de Brouardel.  Radiografia do polo cefálico de cadáver na fase gasosada purefação.
<BR>
Imagem trabalhada para realçar o aumento de partes moles.  Radiografia do polo cefálico de cadáver na fase gasosada purefação.  Bolha sub-epidérmica com conteúdo hemoglobínico.  Bolha sub-epidérmica com conteúdo hemoglobínico.
Circulação póstuma de Brouardel.  Fase gasosa da purefação.
  Fase gasosa da purefação.
  Circulação póstuma em cadáver de cerca de 72 horas do óbito.  Início da fase gasosa.
Descolamento epidérmico com gás em seu interior.
  Fase inicial da circulação póstuma de Brouardel.
    • Cronologia
      • perceptibilidade - 48 a 72 horas
      • grau máximo - 5 a 7 dias
    • Mecanismo
      • ação de bactérias saprófitas
        • Formação de gases da putrefação - inflamáveis
      • decomposição protéica
        • liberação de compostos nitrogenados - ptomaínas (odor desagradabilíssimo)
    • Aumento da pressão abdominal
      • prolapso do útero - eventual parto post-mortem
      • prolapso do reto
      • elevação do diafragma
        • compressão pulmonar - saída de líquido avermelhado pela boca e narinas
          • sangue proveniente do rompimento alveolar
    • Superfície
      • destacamento total da epiderme
      • perda de fâneros
      • bolhas epidérmicas de conteúdo líquido hemoglobínico - baixo teor protéico
      • circulação póstuma de Brouardel
        • pressão sobre grandes vasos
          • escoamento passivo do sangue periferia
          • destacamento da epiderme
          • coloração escura do sangue
          • 36 e 48 horas após a morte
    • Aspecto gigantesco
      • protusão ocular
      • protusão lingual
      • distensão dos órgãos genitais masculinos
      • posição de lutador
    • Vísceras maciças
      • amolecimento
      • superfície de corte com numerosas pequenas cavidades - queijo suíço
    • Coração
      • amolecido, pardo, com creptação
    • Pulmões
      • colabados - pardos escuros ou cinza enegrecido
      • cavidades pleurais - até 200 ml. de líquido pardo-escuro
    • Cérebro
      • perda da estrutura - "derretimento"
      • massa pegajosa cinza escura


    Fase de coloração

    ver catálogo
     Mancha verde abdominal. Óbito há 48 horas.  Fase de coloração em evolução.
Cadáver com cerca de 72 do óbito.
    • Mancha verde abdominal
      • Primeiro local da fase de coloração
      • Fossa ilíaca direita
        • o ceco é a parte mais dilatada e livre
        • maior acúmulo de gases
        • proximidade com a parede abdominal
        • concentração de bactérias
      • Cronologia do aparecimento
        • verão - 18 a 24hs
        • inverno -  36 a 48
      • Mecanismo e evolução
        • atividade bacteriana - Clostrídium welchii
        • formação de metano, gás carbônico, amônia e mercaptanos, gás sulfídrico
        • gás sulfídrico + hemoglobina = sulfohemoglobina ou sulfometahemoglobina = verde
        • progressão por todo o corpo
        • escurecimento progressivo - verde enegrecido a negro
    • A cabeça fica muito negra
    • Pigmentação intra-abdominal por pigmento biliar
    • Enegrecimento de parte das vísceras maciças em contato com o intestino grosso
    • Nos fetos
      • início pela parte superior do tórax, face e pescoço
        • conteúdo intestinal estéril
        • bactérias nas vias aéreas
    • Nos afogados
      • cabeça e parte superior do tórax
        • posição do cadáver com a cabeça para baixo


    Fase coliquativa

    ver catálogo
                 Apesar da putrefação, é possível visualizar a cicatriz abdominal mediana e o fio de sutura azulado. <img src="grade_ico_p.gif">  (I4 e J3)
    • Dissolução pútrida do cadáver - deliqüescência cadavérica
    • Desintegração de partes moles
      • redução do volume
      • deformação
      • liberação dos gases
    • Inúmeras larvas
    • Cronologia
      • extremamente variável
        • início - 3 semanas após o óbito
        • término - vários meses


    Fase de esqueletização

    ver catálogo
     Dentição de cadáver inumado por mais de 30 anos.
    • Fase que se mescla à coliquativa
    • Final do processo destrutivo cadavérico
    • Resultado final é o esqueleto livre de partes moles
    • Cronologia muito variável
      • início - terceira a quarta semana
      • término - seis meses
      • fatores
        • clima
        • ambiente (+ fauna cadavérica)
          • ar livre
          • inumação
          • submersão


    Maceração

    ver catálogo
     Maceração fetal intra-uterina.  Maceração fetal intra-uterina.
    • Asséptica
      • fetos mortos retidos, a partir do 5º mês de gestação
        • fetos mais precoces podem ser reabsorvidos, mumificados ou calcificados
    • Séptica
      • fetos intra-uterinos de cadáveres
      • alguns autores incluem a putrefação sob imersão
    • Cronologia
      • poucas horas após a morte fetal
        • menor aderência epidérmica
      • 3 a 5 dias
        • formação de bolhas epidérmicas com líquido avermelhado
        • coalescência das bolhas
        • destacamento cutâneo
        • derme avermelhada exposta
        • destacamento do couro cabeludo
      • Evolução
        • diminuição da consistência corporal
        • achatamento ventral
        • descolamento dos ossos dos tecidos
        • grande possibilidade de contaminação
      • Tabela de F.A. Laugley
        • grau 0 - m < 8 horas
          • pele com aspecto bolhoso
        • grau 1 - 8 < m < 24 horas
          • epiderme começa a descolar
        • grau 2 - m > 24 horas
          • extenso descolamento epidérmico - efusões avermelhadas em cavidades
        • grau 3 - m > 48 horas
          • fígado amarelo-amarronzado, efusões turvas


    Fenômenos abióticos transformativos conservadores
    Adipocera

    Mumificação

    Courificação

    Adipocera - saponificação
    • Fenômeno conservador transformativo raro
    • Aspecto de cera
      • consistência untuosa, mole e quebradiça
      • cheiro rançoso adocicado
      • coloração amarelado, róseo ou acinzentado
    • Cronologia
      • pode surgir após a primeira semana
      • perceptível aos 3 meses (GVF:  6ª semana)
      • Aparece após estágio relativamente avançado de putrefação
        • necessidade ação bacteriana (principalmente do gênero Clostridium)
          • hidrólise de gorduras neutras (triglicerídio) para a liberação de ácidos graxos
          • transformação do ácido oléico em hidroxiesteárico e oxiesteárico
    • Geralmente limitado a algumas partes do cadáver
    • Predisponentes
      • obesos
      • água estagnada e pouco corrente
      • solo argiloso e úmido
      • difícil acesso ao ar atmosférico
      • comum em valas comuns


    Mumificação
    • Meio quente, arejado e seco
      • inviabilidade bacteriana
        • desidratação
          • rápida
          • intensa
    • Mais comum
      • magros
      • crianças
    • Exame
      • peso e volume reduzidos
      • pele
        • ondulada
        • endurecida
        • aspecto de couro
        • coloração parda
        • soa como cartão ao toque
      • Às vezes parcial
        • segmentos, em geral os de menor diâmetro: mãos e pés
    • Pode possibilitar
      • exame de lesões
      • identificação


    Corificação

        
    • Extremamente raro

    •   
    • Relatado por  Della Volta em 1985

            
      • cadáveres recolhidos em ataúdes metálicos herméticos, principalmente de zinco

                
        • pele de cor e aspecto do couro curtido recentemente

        •       
        • abdome achatado e deprimido

        •       
        • musculatura e tecido subcutâneo preservados

        •       
        • líquido viscoso e turvo castanho-amarelado na urna

        •       
        • órgãos amolecidos e conservados

                    
          • possibilidade de exames histopatológicos

          •         
          • possibilidade de exames toxicológicos

          •     

    Calcificação
    • Fenômeno conservador muito raro
    • Petrificação ou calcificação corporal
    • Forma intra-uterina
      • forma mais comum
      • ocorre na morte fetal retida
        • litopédios - criança de pedra
    • Forma extra-uterina
      • raríssimo
      • mecanismo
        • putrefação muito rápida
        • assimilação de sais calcários pelo esqueleto
        • resultado de aparência pétrea e grande peso - (fóssil)